Pular para o conteúdo

9 benefícios e virtudes pouco conhecidos do gengibre

ginger

Muitas vezes considerado uma planta afrodisíaca, o gengibre é acima de tudo um aliado da saúde. E por uma boa razão, a raiz de gengibre (rizoma) contém uma infinidade de componentes com ações anti-inflamatórias, antioxidantes, antifúngicas, antibacterianas, etc. É por esta razão que esta planta é popular na medicina tradicional asiática. Então, concretamente, quais são os benefícios do gengibre?

1. Uma planta de baixa caloria e rica em minerais

O gengibre é uma planta de muito baixo teor calórico que pode ser adicionada a muitos pratos, sendo essa a sua principal virtude. Vai realçar os sabores, sem engordar. Assim, a ingestão calórica do gengibre é estimada em 332 Kcal por 100g de planta fresca (fonte, tese de Anne Butin “Gengibre: do seu uso ancestral a um futuro promissor”, 2017).

ComponenteQuantidade por 100 g
água10g
Carboidratos70g
Lipídios9g
Proteínas4 a 6g
Repartição dos Macronutrientes do Gengibre

Para carboidratos, a composição é de 55 g de amido, 12,5 a 14 g de fibra e apenas 3,5 g de açúcares.

Além da água, o gengibre é uma planta particularmente rica que contém minerais (manganês, cobre, iodo, fósforo, magnésio, cálcio, sódio, zinco e ferro), vitaminas (essencialmente B2, B3, B5, B9), antioxidantes, fibras…

2. Forte poder antioxidante

O gengibre contém mais de quarenta compostos antioxidantes. Estas últimas atuam tanto na produção de moléculas responsáveis ​​pelo estresse oxidativo, mas também em suas ações. Protegem assim as suas células contra a ação dos radicais livres, que podem ser responsáveis ​​por diversas doenças ligadas ao envelhecimento do organismo.

Este poder antioxidante, um verdadeiro benefício do gengibre, foi comprovado por vários estudos que destacaram a ação do gengibre contra a doença de Alzheimer. Obviamente, o gengibre não ajuda a combater a degeneração neuronal. No entanto, pode contribuir para retardar o seu progresso.

3. Virtudes digestivas

Numerosos estudos demonstraram a eficácia do gengibre na prevenção de náuseas e vômitos. Esta erva é especialmente útil para quem sofre de enjôo e enjôo.

Mas também pode ser usado em gestantes que sofrem de enjoos matinais, em pacientes que passaram por quimioterapia ou cirurgia oncológica. No entanto, neste último caso, as opiniões ainda não estão claramente decididas.

Estas virtudes do gengibre também são reconhecidas por diversas organizações, como a OMS (Organização Mundial da Saúde), Comissão E do Ministério da Saúde Alemão e ESCOP (Coordenação Científica Europeia em Fitoterapia). Tanto que a OMS considera o uso do gengibre “clinicamente justificado” para prevenir náuseas e vômitos em casos de enjôo ou transporte.

Além de náuseas e vômitos, o gengibre também pode ser usado para distúrbios digestivos. Mas é mais uma tradição do que um tratamento comprovado cientificamente.

4. Uma planta tonificante

Graças à sua composição rica em minerais, fibras e vitaminas, o gengibre é um precioso aliado no combate ao cansaço, sendo este um dos seus benefícios menos conhecidos.

Na Ásia, é frequentemente usado contra gripes e resfriados. Na verdade, estes diferentes componentes permitem que os pacientes recuperem alguma energia. Mas são sobretudo as ações antibacterianas que fazem do gengibre uma planta favorecida pelos medicamentos naturais.

5. Um antibacteriano natural

Nos países quentes e subdesenvolvidos, as especiarias não são utilizadas apenas para realçar o sabor dos pratos culinários, mas também para conservar os alimentos. Na verdade, servem como proteção contra ataques bacterianos. E se forem eficazes externamente, também podem ser eficazes internamente.

Em relação ao gengibre, foi demonstrada eficácia para diversas bactérias, como:

  • Bacilo piociânico: responsável por infecções nosocomiais.
  • Streptococcus mutans: responsável pela cárie.
  • Enterococos: responsáveis ​​por infecções urinárias ou intestinais.
  • etc.

Dado o número de bactérias existentes, é muito difícil oferecer uma lista exaustiva. Lembre-se, porém, de que o gengibre tem poder antibacteriano natural.

6. Uma planta antifúngica

Além das bactérias, o gengibre também atua sobre os fungos. E notavelmente, uma das infecções fúngicas mais comuns; candidíase responsável por micoses (oral ou vaginal).

Segundo estudo realizado pela Biblioteca Nacional de Medicina, o uso do gengibre pode reduzir significativamente o desenvolvimento da candidíase. albicans e candidíase Krusei.

7. Uma virtude antiinflamatória

Para aliviar a dor, antiinflamatórios não esteróides (AINEs) são comumente usados ​​(e recomendados pelos médicos). Esses medicamentos permitem, de fato, inibir as ciclooxigenases, responsáveis ​​pela formação de prostaglandinas pró-inflamatórias.

Mas para quem prefere recorrer a tratamentos naturais, é possível recorrer a plantas, principalmente ao gengibre.

Contém diversas substâncias, incluindo gingeróis e shogaols. No entanto, estes últimos também têm ação inibitória. O gengibre pode então limitar a inflamação em diferentes níveis: no trato digestivo, no sistema respiratório, nas articulações ou no sistema nervoso.

Além disso, vários estudos demonstraram a eficácia do gengibre numa doença inflamatória muito específica: a osteoartrite do joelho. De acordo com os diversos estudos realizados, o consumo de gengibre ajuda a reduzir os sintomas associados a esta doença.

8. Um analgésico natural

Pessoas que sofrem de osteoartrite também podem usar gengibre para aliviar a dor. A ideia é aplicar esta planta, em forma de óleo essencial, nas articulações doloridas.

Embora vários estudos tenham sido realizados para demonstrar as propriedades analgésicas do gengibre, seus resultados são discutidos. Portanto, deve-se ter cautela ao usar gengibre para reduzir a dor.

9. Um anticoagulante

Além de todos esses benefícios, o gengibre também ajuda a diluir o sangue.

Mais uma vez, um estudo realizado pelo Journal of Cardiovascular Pharmacology mostra que o gengibre promove redução da pressão arterial. Este estudo foi realizado em ratos anestesiados e por via intravenosa.

Além disso, esta planta pode ser utilizada em diabéticos (tipo 2). Neste caso, ajuda a reduzir os valores glicêmicos em jejum e a hemoglobina glicada. Sem mencionar melhor resistência à insulina.

Embora o gengibre tenha muitos benefícios para a saúde, você deve consultar o seu médico antes de usar esta planta para tratamento.

Perguntas frequentes

Quais são os valores nutricionais do gengibre

100 gramas de gengibre cru contêm 32,9 calorias, 1,1 gramas de proteína, 3,4 gramas de carboidratos, 1,1 gramas de gordura e 2,7 gramas de fibra.

Como consumir gengibre?

Existem várias maneiras de consumir gengibre. Por exemplo, você pode incorporá-lo em suas receitas culinárias, comer fatias de gengibre fresco ou até mesmo fazer infusões.

Como armazenar gengibre?

Para aproveitar as diferentes virtudes do gengibre, é melhor consumi-lo fresco. Para isso, aconselhamos deixá-lo na geladeira em um Tupperware de vidro hermético (por 2 a 3 semanas).

Quais são as contra-indicações do gengibre?

O gengibre pode ser contraindicado em crianças, pessoas que sofrem de doenças vasculares, cardíacas ou distúrbios de coagulação sanguínea. Da mesma forma, é incompatível com certos tratamentos medicamentosos. Em todos os casos, é imprescindível consultar previamente um médico.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Revista pitch Reçeber Nossas Notificações
Fechar
Permitir Notificações